PIADINA, O PÃO DE FRIGIDEIRA

Acordei numa manhã chuvosa com mais uma frente fria derrubamdo a temperatura, sem pão para tomar o café da manhã e mais a preguiça de sair para comprar o pão , resolvi fazer mais uma das minhas experimentações culinárias.
Desde a minha última viagem à Italia, voltei com vontade de fazer a receita da PIADINA, espécie de pão de frigideira. Uma massa fininha, muito leve e crocante que pode ser feita facilmente em casa.
Em toda a Itália, cada cidade tem sua própria versão, surgiu na Emília-Romanha, no norte do país. A massa sempre é a mesma, mas a espessura e o recheio podem variar. O importante é que há sempre um pouco do sabor local. Pode ser saboreada apenas com manteiga, geleia, requeijão e também recheada com ingredientes da sua preferência.

A piadina combinada com o recheio, pode transformar um sanduíche descompromissado em uma verdadeira experiência gastronômica.

Esta é a receita que experimentei e foi um sucesso

Ingredientes ( 6 porções)
500 g de farinha de trigo
1 colher (chá) de fermento em pó ( o de bolo)
1 colher (chá) de sal
4 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 xícara de água quente
Modo de fazer
Juntar numa tigela grande a farinha, fermento e sal. Adicionar o azeite e misturar com as mãos até ficar bem incorporado.
Juntar a água e misturar rapidamente com um garfo, depois misturar com as mãos.
Transferir a massa para uma bancada enfarinhada e amassar bem , ou até ficar macia. Colocar em uma tigela limpa, tampar e deixar descansar por 15 minutos.
Dividir a massa em 6 partes e fazer 6 bolas.
Abrir cada bolinha com um rolo até formar um disco fino.
Aquecer uma frigideira antiaderente e dourar a piadina por 1 minuto ou mais de cada lado. O tempo vai depender da intensidade do calor do seu fogão.
Servir com o recheio desejado ou simplesmente com manteiga ou geleia.

NHOQUE DE ABÓBORA CABOTIÃ, BATATA E BATATA DOCE AO MOLHO DE TOMATE E ALHO PORÓ


Deliciosa combinação de sabores! Gosto suave e delicado que harmoniza-se perfeitamente com o molho.
Mais uma bem sucedida experimentação na minha cozinha em um dia inspirado.

Dicas:
– Utilizar batatas apropriadas e não cozê-las demais para evitar que absorvam muita água.
– Trabalhar com a batata morna, nunca muito quente.
– O mais importante ao fazer os nhoques é utilizar a menor quantidade de farinha possível para que eles fiquem macios e leves, com melhor textura e sabor.
– Não se deve sovar demais a massa para não liberar o amido da batata.
– Não amolecer demais a massa.
– É importante polvilhar um pouco de farinha sobre os nhoques enquanto não vão à panela para que não grudem.
– Cozinhá-los em bastante água fervente salgada.
– Não encher demais a panela com água, cozinhá-los um pouco por vez.
– Logo que os nhoques começarem a boiar, retirar com uma escumadeira.

Ingredientes da massa
300 g de batata
300 g de batata doce
300 g de abóbora cabotiã
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
1 ovo
Aproximadamente 300 g de farinha de trigo

Modo de fazer
Colocar uma panela com água pela metade para ferver.
Quando a água entrar em ebulição adicionar as batatas descascadas e picadas grosseiramente para cozinharem.
Quando as batatas amolecerem retirar da água e na mesma água cozinhar a abóbora.
Amassar tudo muito bem e deixar amornar bem.
Acrescentar o ovo, o queijo e a farinha aos poucos.
Não sovar muito a massa, para não liberar o amido da batata, resultando numa massa pegajosa. Polvilhar farinha para conseguir trabalhar.

Cortar a massa em pedaços e fazer bastões longos com a espessura de um dedo. Cortar em pedaços e polvilhar farinha sobre todos.
Cozinhar em água fervente e salgada. Colocar um pouco de cada vez.
Quando os nhoques boiarem, escorrer e jogar dentro do molho de tomate.
Servir polvilhado com queijo parmesão ralado.

MOLHO DE TOMATE COM ALHO PORÓ E PIMENTA

Atenção: A pimenta dedo de moça é importante, pois a sua picância contrasta e harmoniza perfeitamente com o adocicado da abóbora e da batata doce.

Ingredientes:
8 tomates maduros ( de preferência, tipo italiano, pois tem mais polpa e é menos ácido), ou duas latas de tomate pelati ou 1 vidro de passata de tomate.
1 cebola picada
2 dentes de alho
1 pimenta dedo de moça
1 alho poró com as folhas
Orégano a gosto
Azeite e sal a gosto

Modo de fazer:
Cobrir o fundo da panela com azeite e refogar o alho em lâminas, a cebola e o alho poró picado e a pimenta picada.
Adicionar os tomates sem pele e sem sementes, picados, adicionar o sal e o orégano, deixar refogar.
Quando os tomates desmancharem, desligar o fogo. O tomate fresco em pedaços não deve cozinhar demais, pois se torna ácido.
Se estiver usando a passata de tomate colocar a mesma medida de agua e deixar apurar em fogo medio. Provar, caso ainda esteja com acidez, adicionar mais um pouco de água. NÃO COLOCAR AÇÚCAR NO MOLHO, O AÇÚCAR NÃO TIRA A ACIDEZ E SIM O TEMPO DE COZIMENTO.

Dica:
Sugiro preparar o molho numa panela wok, assim poderá colocar o nhoque diretamente no molho e servir na própria panela. O nhoque pegará melhor o gosto do molho e ficará com melhor sabor.

ENTRADA DE TOMATINHO COM RECHEIO DE RICOTA

Você prepara rapidinho essa entradinha, leve e saborosa.

Tomatinhos cotados ao meio e retiradas as sementes.

Ricota temperada:

1 xícara (chá) de ricota amassada ou cream cheese

1 colher (sopa) de queijo parmesão ralado
1 colher (chá) de cebola ralada
1 dente de alho pequeno picado bem pequeno (opcional)
Ou alho desidratado picado
1 colher (chá) de manjericão picado
1 colher (chá) de alecrim picado
1 colher (chá) de salsinha picada
3 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem
Sal e pimenta do reino a gosto
Misturar tudo muito bem e rechear os tomatinhos

DICA: Você pode incrementar o recheio usando nozes, amêndoas tostadas, uva passa, castanhas de caju ou castanhas do Pará.

PASTIERA DI GRANO, uma iguaria do sul da Italia!

Pastiera di Grano é um doce clássico da cozinha napolitana para a festa pascal.
É uma torta à base de ricota e trigo em grão, perfumada com canela, limão e frutas cristalizadas. A receita atual, afirmam os estudiosos, foi inventada em algum mosteiro napolitano, tornando-se tão popular em Nápoles que toda dona de casa local possui sua própria receita desta delícia.
Algumas  receitas da doceria napolitana tem origem na Grécia Antiga, visto que a cidade foi fundada por gregos, conquistada pelos romanos e posteriormente  pelos bizantinos e árabes que também passaram por lá. Esta mistura de povos influenciou a formação da cultura e gastronomia.
Nesta receita percebemos esta influência pela presença das frutas cristalizadas, típicas dos povos do oriente (bizantinos) e a flor de laranjeira de influência árabe.
A origem da pastiera, muito mais rudimentar e simples que atualmente vem de uma festa pagã que celebrava o retorno da primavera. Por isso, sua receita inclui ovos, símbolo da fertilidade, o trigo, símbolo da abundância e água de flor de laranjeira, tradicional perfume da primavera napolitana. Sua relação com a Páscoa é por ser esta uma festividade cristã que se refere à Ressurreição de Jesus Cristo, um momento de renovação e de esperança.

A Pastiera di Grano deve ser preparada com alguns dias de antecedência. Este tempo permitirá que os diversos aromas e paladares dos ingredientes se mesclem dando origem ao sabor único e inconfundível deste doce tão especial. Por esta razão, costumam ser preparadas na quinta-feira ou Sexta-Feira Santa para serem servidas no domingo Páscoa.
INGREDIENTES
Massa

3 ovos

1 xícara de chá de açúcar

1½ xícara de chá de manteiga

5 xícaras de chá de farinha de trigo

RECHEIO

250 g de trigo em grãos com casca

2 xícaras de chá de leite

1 pitada de sal
Raspas de 1 limão

1½ xícara de chá de açúcar

500 g de ricota passada por uma peneira

3 ovos (claras e gemas separadas)

1 colher de café de canela em pó

200 g de frutas cristalizadas

200 g de uva passa
1 colher de sopa de água de flor de laranjeira

Açúcar de confeiteiro para polvilhar

MODO DE FAZER

Massa
Misturar todos os ingredientes e sovar por 5 minutos até formar uma massa homogênea.
Deixar a massa descansar por 30 minutos.
Abrir com o rolo e forrar o fundo e as laterais de uma fôrma de aro removível untada, reservando a sobra da massa.
Recheio
Deixar o trigo de molho em água fria por uma noite.
Levar o trigo para cozinhar na água em que ficou de molho por 15 minutos.
Escorrer e reservar o trigo.
Aquecer o leite e juntar o trigo, o sal, as raspas de limão e uma colher de sopa de açúcar.
Tampar a panela e cozinhar em fogo baixo, mexendo de vez em quando para não grudar.
Quando o leite secar, escorrer o trigo e deixar esfriar.
Adicionar a ricota passada pela peneira, as gemas, o açúcar restante, a canela, as frutas cristalizadas e a água de flor de laranjeira.
Acrescentar as claras batidas em neve e misturar delicadamente.
Despejar o recheio sobre a massa e, com as sobras da massa, fazer tiras e colocar sobre o recheio decorando a torta.
Assar a torta por 30 minutos mais ou menos em forno preaquecido a 180 grausC
Depois de frio, polvilhar com açúcar de confeiteiro.

 

CHEESECAKE DE RICOTA com base de amêndoas e tâmaras

Uma nova experiência na minha cozinha onde substitui a base, feita com bolacha, por amêndoas e tâmaras, ficou mais saudável e deliciosa. Na medida do possível tento substituir o produto industrializado.

Ingredientes:
500 g de amêndoas
 15 tâmaras secas

500g de ricota fresca (retirar da geladeira 1h antes)

1 lata de leite condensado

1 pote de iogurte natural

1 vidro de geléia de framboesa ou de frutas vermelhas ou de morango
Se puder fazer a geleia em casa, melhor!

Modo de fazer:

Massa:
Triturar 500 g de amêndoas com 15 tâmaras secas até virarem uma farofa mais úmida.
Apertar com os dedos forrando o fundo e as laterais de uma assadeira de fundo removível. Reservar
Creme:
Bater a ricota com o leite condensado e o iogurte. Despejar sobre a massa e levar ao forno preaquecido a 180 grausC.

O cheesecake estará pronto quando parecer firme, porém ainda balançar ligeiramente no centro e estiver levemente dourado.

Retirar do forno, deixar esfriar e levar à geladeira, de um dia para o outro.

Quando for servir, retirar da forma, colocar sobre uma travessa, diluir a geléia com um pouquinho de água filtrada e despejar por cima espalhando de maneira uniforme.

BOLO COM FÉCULA DE BATATA COM RECHEIO DE AVELÃS E CACAU

Ingredientes:
8 ovos
14 colheres de sopa de açúcar mascavo ou açúcar refinado
1 pacote e um quarto de outro de fécula de batata
1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de fazer:
Bater as claras em neve, bem batidas.
Acrescentar as gemas uma a uma, batendo.
Colocar as colheres de sopa de açúcar, uma a uma batendo.
Adicionar a fécula aos poucos, batendo sempre.
Desligar a batedeira e funtar o fermento, mexer levemente.

Despejar a massa na forma , sem precisar untar. Eu ponho um papel sobre a forma para retirar o bolo ainda quente. Levar ao forno preaquecido a 180 C

Recheio:
Enquanto isso, triturar 500 g de avelãs assadas e sem a pele com 300g de chocolate meio amargo, até virar uma pasta.

Cortar o bolo ao meio e rechear com esse creme.
Eu utilizo duas formas menores do mesmo tamanho e não há necessidade de cortar o bolo ao meio.
Molhar cada parte do bolo com uma calda feita com 2 xícaras de chá de água com uma de açúcar, um pau de canela e 3 cravos da India, levar ao fogo e deixar ferver por 5 minutos ( esperar esfriar para utilizar).

Cobertura: levar ao fogo baixo 2 xícaras de chá de óleo de coco, 1 xícara de chá de açúcar mascavo e 1/2 xícara de chá de cacau em pó. Cozinhar rapidinho até dissolver tudo e jogar sobre o bolo.

Variação: pode-se utilizar qualquer tipo de recheio e cobertura, fica a gosto de cada um.

GUACAMOLE, uma entradinha deliciosa de origem mexicana

GUACAMOLE, uma entradinha deliciosa de origem mexicana

O guacamole é um ingrediente típico da culinária mexicana, servido com uma grande variedade de pratos.
É basicamente um creme rústico de abacate bem temperado, que funciona como um complemento da salada e que foi exportado para todas as partes do mundo onde existe comida mexicana, e como toda receita importada, sofreu adaptações regionais, mas conservando os ingredientes principais, como o abacate, o limão e a cebola.

Ingredientes:

1 abacate médio maduro
1 tomate sem sementes
1 cebola roxa picada
Suco de meio limão
Sal e azeite a gosto
1 pimenta dedo de moça sem as sementes picada ( opcional)

Modo de fazer:

Dividir o abacate ao meio e retirar o caroço.
Recolher a polpa com uma colher tirando o máximo possível (a parte mais perto das cascas das frutas são muito ricas em nutrientes) e amassar com um garfo em uma tigela.
Adicionar o suco de meio limão, a cebola picada, o tomate picado, o sal e um fio de azeite.
Servir com nachos ou torradas ou pão sirio torrado. Hj

QUEIJO BRIE COM GELEIA DE DAMASCO


Brie é um queijo francês, de sabor delicado, seu interior é cremoso e por fora tem uma crosta branca formada por um tipo de fungo.
Esta receita combina o sabor do queijo com a geleia de damasco, uma deliciosa mistura de salgado com doce, produzindo um sabor sofisticado.

É um saboroso e elegante aperitivo para saborear com os amigos!

INGREDIENTES:
150 a 200g de queijo brie
150g de damasco
½ xícara (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de água quente
Suco de meio limão

MODO DE FAZER:
Deixar o damasco de molho numa xícara de água por 30 minutos.
Escorrer o damasco, reservar a água.
Em um processador ou liquidificador bater o damasco até ficar em pedaços bem pequenos.
Em uma panela misturar o damasco triturado, o açúcar e a água, levando ao fogo baixo e deixando cozinhar por aproximadamente 7 a 8 minutos.
Depois adicionar o suco de limão e deixar apurar por aproximadamente 5 minutos, sempre em fogo baixo.
Desligar o fogo.
Nos últimos 5 minutos da preparação da geleia colocar o queijo brie (inteiro) em uma travessa e levar ao forno preaquecido a 180°C por aproximadamente 5 minutos, esse tempo é apenas para aquecer levemente.
Ou levar ao microondas na potência alta por um minuto.
Retirar o queijo do forno colocar uma parte da geleia por cima. Deixar o restante da geleia num recipiente para que cada um possa usar à vontade.
Acompanhar com torradinhas.

Dica: essa receita pode ser preparada com queijo Camembert

O brie e camembert sejão queijos provenientes do leite da vaca não pasteurizado e cru, e possuem as mesmas características visualmente, mas estes dois queijos têm diferenças entre si.
Ambos  são lisos e macios, de crosta branca rígida por fora e de constituição cremosa em seu interior. Tradicionalmente cilíndrico ou redondo, o brie e o camembert possuem esta crosta devido à ação do fungo Penicillium cândida utilizado em suas confecções. Tal característica é alcançada com, pelo menos, 30 dias de maturação
Produção: durante o processo de preparo dos queijos, o brie recebe coalho e o camembert não. Como resultado, o brie é composto com 60% de gordura do leite, enquanto que o camembert possui 45%.
Além disso, o camembert utiliza fermentos lácteos mais fortes que o brie que são inoculados no molde do queijo 5 vezes, o que contribui para um queijo com sabor mais forte. No brie, os fermentos lácteos são colocados apenas uma vez, por isso, um queijo mais ameno.

PAN CATALAN O PAN CON TOMATE


Receita deliciosa e muito fácil de preparar.
É típica da região da Catalunha ao Norte da Espanha, cuja capital é Barcelona. Cidade efervescente, com uma legião de turistas do mundo todo passeando por suas ruas, muitas apinhadas de bares e restaurantes onde se pode saborear o famoso Pan Catalan. Mas se não estiver em Barcelona , pode preparar essa receita em sua casa que fica muito bom!
Pode ser servido como aperitivo, e que aperitivo!!! Ou como entrada, acompanhada de um bom vinho tinto! E bom apetite!!!

Ingredientes:
6 fatias de pão italiano ou similar, amanhecido (não serve outro tipo de pão).
6 fatias grandes de presunto cru
2 dentes de alho
2 tomates maduros
Azeite a gosto

Modo de fazer:
Tostar levemente as fatias de pão, esfregar nelas o alho.
Partir os tomates em metades, esfregar nas fatias até ficarem rosadas, regar com azeite e por cima colocar uma boa fatia de presunto cru. Servir em seguida.

SALADA DE ESPAGUETE DE PALMITO PUPUNHA AO MOLHO PESTO


O palmito pupunha é um gênero de palmito cultivado, contrastando com as espécies nativas (como a juçara, açaí) que estão sob risco de extinção por conta da extração descontrolada. É nativo da região amazônica.
Eu utilizo apenas o palmito pupunha de cultivo sustentável.

Ingredientes:
1 embalagem de tomatinho cortado em metades
1 embalagem palmito pupunha em fios

Molho
1 xícara de chá de folhas de manjericão
1/2 xícara de chá de castanha do pará ou pinholes
1 dente de alho
1/2 xícara de chá de azeite ( se houver necessidade colocar mais)
Sal a gosto
Pinholes ou castanha do Pará para finalizar o prato.

Modo de fazer:
Escaldar o palmito pupunha na água fervente por uns 3-5 minutos
Se for in natura deixar 5 ou mais minutos, ir experimentando, pois dependerá do tipo do palmito.
Retirar da água fervente e escorrer bem.

Para o pesto:
Triturar todos os ingredientes até formar um patê.
Ir provando os temperos, e deixando ao seu gosto.
Temperar o espaguete de palmito com o pesto.
Adicionar os tomatinhos.
Para servir, tostar uns pinholes ou algumas castanhas do Pará na frigideira e colocar por cima do espaguete de pupunha (opcional)